Blog

Recomendações para viagem com o seu pet

  1. 15 Jan 2016
  2. 346
Recomendações para viagem com o seu pet

Janeiro e fevereiro, por conta do Verão, são meses tradicionais de férias. Hora de arrumar as malas e partir para as praias, serras ou campos, após um bom planejamento. E, para quem tem animal de estimação em casa, é preciso pensar em tudo, principalmente se ele não puder ir junto. Se não puder contar com a boa vontade de um parente, um amigo ou vizinho, o jeito é buscar uma hospedagem para o pet.

O mercado brasileiro já oferece uma série de opções para você deixar o seu animal, mas é preciso ter cuidado na hora de escolher o local para não ter dor de cabeça. Uma primeira dica é visitar previamente o lugar para conhecer a estrutura oferecida. Também vale conversar com algum conhecido que já tenha usado os serviços da hospedagem em questão para ver se tudo funcionou bem mesmo. 

Registro

Ponto que precisa ser levado em conta pelos tutores é o registro do estabelecimento no Conselho Regional de Medicina Veterinária da cidade. Este documento é obrigatório, servindo com indicador da legalidade do serviço. A hospedagem também tem que ter um médico veterinário como responsável técnico.

"É preciso verificar o estado de saúde do animal, se ele tem alguma necessidade de cuidado especial por conta de doenças, idade e uso de medicamento contínuo, por exemplo", observa Marcello Roza, secretário-geral do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV).

Recomendações

Para ajudar os tutores, o Conselho Regional de Medicina Veterinária do Rio Grande do Sul (CRMV-RS) preparou um documento com algumas recomendações muito importantes: Eis a lista:

"Busquem locais que ofereçam condições plenas de bem-estar aos hóspedes, informem-se sobre o controle sanitário e ambiental dos animais hospedados e das instalações, verifiquem como é feito o controle de zoonoses e de doenças que o animal hospedado pode contrair ou disseminar pelo contato com o ambiente ou com os demais animais e procurem locais que ofereçam proteção contra fuga e lesões aos animais".

Assim como os tutores, os estabelecimentos também precisam tomar certos cuidados, como, por exemplo, exigir o comprovante de vacinação do animal em dia e a aplicação de antipulga. 

A viagem com os animais

Se a viagem for para dentro do país, a primeira coisa é obter o atestado de saúde assinado por um médico veterinário, que deve atentar para a assiduidade da vacinação antirrábica, conforme recomenda o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Se a viagem for feita de avião, é preciso providenciar a documentação necessária e contatar a companhia aérea para saber as exigências. “Recomenda-se chegar ao aeroporto com antecedência e jamais dar qualquer tipo de medicação sem a orientação do médico veterinário”, indica Roza, do CFMV.

Nas viagens de carro, lembre-se de programar paradas para que o animal possa beber água e se alimentar adequadamente, além de urinar e defecar. “Jamais viajar com o animal solto no carro. A caixa de transporte também deve ficar presa ao cinto de segurança, evitando, assim, que se desloque durante eventuais frenagens”, ressalta. 

No MAPA, você encontra mais informações para ter uma viagem tranquila e prazerosa na companhia do seu pet.

Deixe um Comentário