Blog

"Verme do coração", uma ameaça no calor

  1. 13 Nov 2015
  2. 333

A Primavera ainda não esquentou para valer, mas, com certeza, o verão que se aproxima terá temperaturas muito elevadas. Uma boa pedida para a férias é uma boa viagem a alguma cidade do litoral. Nessa aventura, claro, os nossos pets não podem ficar de fora. É certo levar "na bagagem" nossos cães. Só que a mistura de clima quente e úmido pode trazer riscos. Os tutores, então, têm que ficar bem atentos para os animais não contraírem doenças.

Neste quadro climático, uma delas é a Dirofilariose, doença parasitária provocada por vermes que se alojam, principalmente, nas artérias do coração dos animais. Popularmente conhecida como “verme do coração”, esta é uma doença parasitária provocada por vermes que se alojam, principalmente, nas artérias que saem do coração dos cães.

Uma pesquisa recente da Zoetis, empresa de saúde animal, constatou que a doença é mais comum em cidades litorâneas. A pesquisa considerou um universo de aproximadamente 1,6 mil animais que viviam em áreas endêmicas de todo o país. 

Sinais clínicos

Um agravante para a evolução da doença são os sinais clínicos – como tosse, falta de ar, emagrecimento, língua escurecida e falta de vontade para realizar exercícios – que só se manifestam depois de alguns meses ter sido contraída pelo pet.

As temperaturas elevadas garantem a reprodução de fêmeas de algumas espécies dos gêneros Culex e Aedes. A Dirofilariose é um verme relativamente grande, podendo chegar a até 35 cm de comprimento. Com grande parte do coração ocupada pelos vermes, o esforço que o coração tem que fazer para bombear o sangue é muito maior, causando sintomas de falência cardíaca e até mesmo a morte do animal.

Prevenção

A melhor arma contra a doença é a prevenção com uso de um antiparasitário especifico para combater o verme. Com uma aplicação mensal sobre a pele do pescoço, o remédio é absorvido cerca de duas horas após o uso e, logo após a secagem do produto, o animal já pode voltar ao convívio familiar.

Se estiver pensando em levar seu cão para praia nesse verão, não esqueça de consultar um veterinário e procurar saber mais sobre o remédio. Cuidar do seu animal é um ato de amor e responsabilidade!

A tardia identificação da moléstia pode representar a morte do animal. Ou seja, quanto mais cedo o diagnóstico for feito por um médico veterinário as chances de cura são maiores. O melhor caminho para evitar o mal é a prevenção.

A prevenção contra esse parasita deve começar por volta de seis semanas de idade. Em cães abaixo dos seis meses de idade, não é preciso fazer o teste antes de iniciar a prevenção. No caso dos animais com mais de seis meses de idade, o teste pode ser feito durante uma visita de rotina ao veterinário, com uma pequena amostra de sangue. Em aproximadamente 10 minutos chega-se ao resultado.

Deixe um Comentário